post transplantado de calitipo.tumblr.com, tumblr defunto por causas naturais (esquecimento de senha.)


estou parindo este blógue para tentar falar de política de maneira clara e informal. todo mundo tem ideologia, e acho importante que se reconheça a ideologia do que a gente lê. vou começar então esclarecendo alguns fatos que permeiam a ideologia do autor, e se você não concordar com eles só continue lendo se ao menos estiver disposto a concordar.

todo mundo tem ideologia. você pode até achar que não, mas tem. a gente tende a achar que só intelectual tem essas palavras de intelectual, mas garanto que o mendigo da praça já ensaiou um pouco de metafísica, e ele com certeza tem ideologia. mas afinal, o que é ideologia? ideologia é sistematização de fatos. ideologia são as lentes que a gente usa pra ver o mundo. e diferente dos meus óculos (tirando um borrão de dedo e um arranhado aqui e ali), essas lentes influenciam tanto no que se vê que a gente chega até a achar que as imperfeições peculiaridades dessas lentes são a própria realidade. diz alex castro:

É impossível um texto não ter ideologia ou não estar totalmente imerso na ideologia do seu autor ou, no mínimo, da sociedade que o produziu. Quando você tem a ilusão de estar lendo um texto que não é ideológico, isso simplesmente quer dizer que o texto tem a mesma ideologia que você: logo, que a ideologia do texto é invísivel. Ideologia é como espinafre no dente: a gente só vê o dos outros.

mas e a racionalidade? e a ciência? vai me dizer que tudo isso também é ideológico? em tese, não. qualquer descrição completa deveria ser a-ideológica. mas e lá isso existe? não, não existe. tente descrever qualquer coisa. por mais imparcial que você tente ser, você nunca será imparcial o suficiente. se você for imparcial em suas afirmações e adjetivos, não será (não tem como ser) imparcial na escolha do que você irá abordar. e as escolhas que você fez quando elaborou sua descrição dizem muito sobre quem você é, porque ideologias não nascem do nada. até os xingamentos que você usa dizem muito sobre você. então não vou nem entrar no mérito de que fazer ciência é tentar chegar a algum tipo de conhecimento a-ideológico, e que mesmo que a gente conseguisse chegar nele assim que se começasse a aplicá-lo o faríamos de forma ideológica.

não somos racionais. o ser humano se ilude com a racionalidade desde que o renato das cartas fundou o pensamento moderno. antes, a gente usava outras desculpas pra nos acharmos superiores. mas não foi sempre assim. sempre teve uma galera por aí que sabia que o ser humano não tinha nada de especial. (isso, no entanto, fica pra outro texto).

na verdade, a razão é uma fábrica de mentiras. nossa mente é programada pra se manter igual. isso tem uma função biológica: reduzir o gasto energético do cérebro. se você ainda caça sua comida ou tem forte restrição orçamentária, é aceitável que você pense menos, agindo mais por instinto ou costume. se você pode manter uma dieta saudável e ainda não o faz, comece hoje. comece a questionar suas atitudes e sua maneira de ver o mundo. alain de botton já disse:

se você não se envergonha de quem você era ano passado, você provavelmente não está aprendendo o suficiente.

se essa frase te incomodou, fique atento. sua cabeça está tentando se defender dessa ameaça. pra que se incomodar? na remota possibilidade de você ser um buda e não ter mais em que melhorar, você não se sentiria incomodado. não se revolte, considere essa possibilidade. a gente muda toda hora. nossa ideologia muda toda hora. é impossível ser racional o tempo todo. quando você não estiver pensando no que faz, fará algo que já foi pensado antes. que tenha sido algo pensado e repensado por você e não uma ideia que você recebeu por kiss feeding.

termino o pousti de hoje citando o joão ubaldo, que é cientista político e escritor:

É impossível que fujamos da Política. É possível, obviamente, que desliguemos a televisão, se nos aparecer algum político dizendo algo que não estamos interessados em ouvir. Isto, porém, não nos torna “apolíticos”, como tanta gente gosta de falar. Torna-nos, sim, indiferentes e, em última análise, ajuda a que o homem que está na televisão consiga o que quer, já que não nos opomos a ele. O problema é que, por ignorância ou apatia, às vezes pensamos que estamos sendo indiferentes, mas na verdade estamos fazendo o que nos convém.

política e ideologia são duas coisas de que não dá pra fugir. no máximo, você bota a cabeça debaixo do travesseiro e finge que não existe.